Used Bottling Lines

Lavadoras de garrafas

Lavadoras de garrafas

Lavadoras de garrafas para uso industrial são máquinas bastante complexas e geralmente são utilizadas para lavar garrafas de vidro retornáveis. Às vezes, eles também são usados ​​para novas garrafas de vidro; pois garantem uma melhor lavagem da garrafa de vidro do que uma máquina de enxágue. Podem lavar qualquer tipo de garrafa proveniente da produção de água mineral; vinho, destilados, refrigerantes, sucos de frutas, leite, etc. Até alguns anos atrás, apenas rótulos de papel eram usados ​​para rotular garrafas de vidro retornáveis. Hoje, as etiquetas de plástico (etiquetas laváveis) também são utilizadas com vantagens consideráveis ​​do ponto de vista da lavagem; redução de temperaturas e uso de produtos químicos, eliminação de polpação de rótulos na água e consequentemente maior limpeza da água dos banheiros. A única desvantagem é o custo mais alto das etiquetas laváveis ​​em comparação com as de papel.

Estrutura da Máquina de Lavar Garrafas

A primeira grande divisão que podemos fazer é entre lavadoras de garrafas com cabeça única (extremidade única) e lavadoras de garrafas com cabeça dupla (extremidade dupla).
  • No primeiro caso, a entrada e a saída das garrafas acontecem pelo mesmo lado. São máquinas de pequeno a médio porte que geralmente não ultrapassam 30.000 garrafas lavadas por hora de trabalho. Nessas máquinas de lavar, há apenas um único banho alcalino grande, seguido por uma série de enxágues.
  • As pontas duplas são estruturadas com a entrada das garrafas; para ser lavado em uma extremidade e a saída no lado oposto. Também são definidos como lavadores de garrafas modulares, dada a estrutura de “módulos” idênticos que se sucedem e que podem estar presentes em números variáveis ​​(geralmente de 3 a 5) dependendo das necessidades de lavagem. Os potenciais de trabalho são geralmente muito elevados, com uma capacidade ainda superior a 100.000 peças por hora de trabalho.

Temperatura

Ambas as máquinas garantem uma boa lavagem; porém, as máquinas que podem dar maior rendimento e garantias de lavagem são aquelas com cabeçote duplo (dupla extremidade). Estes também têm um custo muito mais elevado do que os outros. Cada lavador de garrafas também possui um gradiente de temperatura necessário para evitar fenômenos de quebra do vidro (choque térmico) devido a grandes variações de temperatura. Essa tendência traz os recipientes da temperatura ambiente; (às vezes muito frio se pensarmos em garrafas lavadas no inverno e talvez armazenadas em pátios ou em depósitos não aquecidos) para valores próximos a 80 ° C e depois trazê-los de volta à temperatura ambiente antes de sair. O mesmo vale para a alcalinidade que segue um gradiente de concentração adequado à necessidade de recuperação do refrigerante que, de outra forma, seria perdido pelo arraste. A água do primeiro enxágüe posicionado após os banhos alcalinos (ou tecnicamente após a polpação) é transportada e devolvida ao tanque de pré-lavagem (que também serve para dar o gradiente de temperatura) para ser recuperada e reaproveitada.   Neste caso haverá uma pré-lavagem com um certo teor de refrigerante que começa a lavar e destacar o rótulo, além de dar um pouco de calor às garrafas frias.

Setores da

mamadeira Entrada da mamadeira O sistema de mamadeira mais utilizado é o arpão. Este, por meio de um movimento elíptico; traz automaticamente as garrafas da superfície de acumulação na entrada da máquina de lavar para os cestos, sem usar qualquer outro meio de empurrar. Perfis de plástico de alta densidade são montados nos arpões; que garantem o silêncio da carga e o delicado tratamento das garrafas. Estão associados a importantes mecanismos de segurança para evitar a quebra de garrafas ou cestos. Frascos com formato especial: retangulares, quadrados, ovais; requerem um sistema de alimentação de sem-fim especial capaz de gerenciar seu passo e orientação. As garrafas são assim espaçadas e levadas para as calhas de carregamento por meio de um dispositivo de empurrar perfilado de polietileno. Os cestos podem ser de tamanhos diferentes dependendo do tamanho das garrafas a serem tratadas e são projetadas para permitir: alta lavabilidade da garrafa; e sua fácil substituição. Normalmente, com um tipo de cesto, é possível lavar mais formatos de mamadeiras; mas é necessário verificar cuidadosamente o posicionamento da garrafa dentro do cesto para poder lavar e enxaguar.

Pré-lavagem

Assim que entrar na máquina; as garrafas são borrifadas ou imersas em água alcalina e levemente morna proveniente do primeiro enxágue que tem a função de retirar o calor e o refrigerante das garrafas; deixando a polpa. Neste setor, estamos portanto a testemunhar:
  • À medida que a temperatura do vidro sobe
  • Land os rótulos começam a molhar-se com a solução alcalina
Normalmente nesta zona não existem problemas particulares uma vez que a solução que vem desde o primeiro enxaguamento; já foi tratada com o aditivo de controle de dureza, que evita a precipitação de sais.

Banhos de lavagem (polpa)

Nestes setores, a própria lavagem dos frascos é feita de forma a eliminar as impurezas do seu interior; e ao mesmo tempo retire a etiqueta que então sairá da máquina com extratores especiais. Estes banhos têm então a função de eliminar eventuais resíduos de cola e durar; mas não menos importante de esterilizar as garrafas (tabela de referência) dado o uso de refrigerante quente. O resultado final da lavagem depende muito deste (ou destes) banhos cáusticos também chamados de “polpa”. Como acabamos de dizer, um dos objetivos da lavagem cáustica é a retirada de rótulos. As etiquetas devem ser destacadas em um ponto preciso da máquina; para que possam ser extraídos sem os partir e sobretudo sem os fazer polpa. A cinética de desprendimento passa pelas atividades realizadas pelo banho cáustico que se expressa na superfície do rótulo; (ficar claro na parte ilustrada), umedece essa face (molhabilidade do rótulo) e atinge a cola subjacente; (posicionado entre o rótulo e o frasco) dissolvendo-o e determinando seu total destacamento.

Fatores do processo

Tipo de cola utilizada, porcentagem de refrigerante presente no banho, temperatura de operação; a qualidade do papel, as cores utilizadas e a possível presença de revestimentos cerosos são os fatores que influenciam o processo. Em termos gerais, podemos padronizar o acima, dizendo que:
  • As colas em uso hoje são principalmente de natureza amido-caseína com uma boa possibilidade de remoção em soluções de soda; partindo da concentração de 1% desde que esta possa entrar em contato com a totalidade da camada de cola presente.
  • A atividade da soda em solução é substancialmente expressa na faixa entre 1,5% e 3%, mesmo se normalmente acima de 2% a viscosidade da solução aumente; reduzindo assim o efeito e o grau de remoção. A ultrapassagem deste valor (2%) determina, portanto, um aumento substancial dos custos sem trazer um benefício real à atividade.
  • A temperatura desempenha um papel fundamental nos processos de remoção de rótulos. Abaixo de 60 ° C; as etiquetas não são retiradas durante o tempo de trabalho da máquina de lavar garrafas. No entanto, a retirada de etiquetas de boa qualidade é realizada a 80 ° C.
  • A estrutura do rótulo (qualidade do papel, cores, revestimentos cerosos, etc.) deve ser estudada a priori de forma a reduzir os problemas de destacamento. Por exemplo, é ótimo tentar evitar a presença de metais pesados ​​trazidos por certas cores; ter uma qualidade de papel decente que evite a polpação na fase de desprendimento, para reduzir a presença de revestimentos cerosos ou a presença de áreas com pouca molhabilidade. Além disso, reduz o distanciamento. Em geral, seria ótimo usar rótulos que fossem "molháveis" ou que permitissem; no tempo de contato proporcionado pela máquina, a possibilidade de cruzar a face superior com uniforme.

Extração de rótulos

Todas as lavadoras de garrafas são equipadas com um sistema de extração de rótulos em dois estágios. No primeiro estágio, que inicia sua ação após um tempo de tratamento cáustico igual a cerca de 40% do tempo total de tratamento cáustico; uma corrente de solução cáustica (gerada pelos diferentes níveis de dois tanques comunicantes) atinge as garrafas, retirando cerca de 30% dos rótulos presentes.   A corrente, neste ponto repleta de etiquetas retiradas, é conduzida pela estrutura da máquina até uma esteira filtrante que atravessa toda a máquina transversalmente; e, conduz os resíduos de papel para o exterior. Na segunda etapa, posicionada no final do tratamento cáustico, uma infinidade de sprays de alta pressão, emitidos por bicos facilmente removíveis para fácil manutenção e limpeza interna, atingem os frascos; removendo os 70% restantes das etiquetas. As etiquetas retiradas são então levadas a cair no tapete mencionado; o que os leva para fora da máquina. Dentro da polpa, uma possível fase crítica é representada pela área de saída das garrafas da solução de lavagem (fora da polpa), pois é essencial que as garrafas, que estão quentes; não seque por efeito de temperatura muito alta ou por paradas muito altas (baixa velocidade de movimento ou paradas para vários problemas).

Secagem

A secagem acentua os fenômenos de corrosão do refrigerante contra o vidro; então causando áreas borradas nas garrafas lavadas e a presença de manchas brancas substancialmente irreversíveis (garrafas brancas). Caso ocorra esta situação, será necessário verificar a escolha do aditivo mais adequado; e, entre em contato com o fabricante para verificar a possibilidade de aumentar o número de filas de pulverização. Nesta área também são extraídos os rótulos, o que é considerado correto se a maioria deles sair do segundo módulo, caso contrário, ocorre:
  • Extração muito rápida se a extração ocorrer em quantidades excessivas do primeiro módulo. Essa situação pode levar ao despolpamento dos rótulos com fibras de celulose em circulação para entupir os filtros e com a possibilidade de arrastamento fino no fundo do enxágue (pedaços de rótulo ficam nas garrafas lavadas). Nessa situação, é necessário verificar se as concentrações de refrigerante e aditivo não estão muito altas.
  • Uma extração muito lenta com consequente saída das etiquetas em quantidade muito alta além do segundo módulo. O problema pode ser que o descolamento retardado faça com que as etiquetas saiam da máquina e fiquem vestígios de cola no vidro. Neste caso é necessário verificar os parâmetros de funcionamento da máquina e sobretudo a temperatura e o aditivo ao refrigerante.

Pré-enxágue ou primeiro enxágue

Nas lavadoras de garrafas, existe cada vez mais um setor dedicado a reduzir a alcalinidade e principalmente a recuperá-la; e parte do calor, para poder reaproveitar nas pré-macerações. Esta seção, portanto, tem como objetivo facilitar a eliminação dos refrigerantes e, consequentemente, melhorar o enxágue; e controlar a precipitação de sais inorgânicos (calcário). Normalmente falamos de um "tanque estático" e seremos tratados de forma diferente dependendo de como o circuito se move dentro dele. Vamos distinguir duas situações diferentes:
  • Se o tanque é carregado pela manhã e esvaziado à noite sem adicionar água doce; haverá um aumento progressivo da alcalinidade e, portanto, teremos que tratá-lo como um banho de lavagem normal. Vamos adicionar o mesmo aditivo ao refrigerante ou mesmo o aditivo dos enxágues.
  • Se durante o trabalho ocorre uma reposição constante de água doce para não aumentar a alcalinidade; o banheiro deve ser tratado como um enxágue normal e prever a dosagem do sequestrante em quantidade proporcional à água que entrar (dosagem na linha de abastecimento de água).

Flushing

É normalmente composto de três ou quatro seções e tem a função de eliminar os resíduos de refrigerante; detergentes de lavagem e de fazer as garrafas saírem pelo menos em condições de beber.   Para isso, a última rampa de enxágue é normalmente alimentada pela mesma água que será engarrafada; e em qualquer caso por água com características potáveis. O problema neste setor é representado pela dureza da água; que precipita carbonato de cálcio (calcário) devido à alcalinidade presente e / ou à temperatura das garrafas. Se a água não for descalcificada, a precipitação de calcário deve ser evitada adicionando um aditivo sequestrante adequado; em uma concentração proporcional ao volume de água em circulação e à dureza presente. Os frascos saem dos banhos cáusticos praticamente estéreis. A área de enxágue, por outro lado, é uma área muito favorável ao crescimento microbiano devido à presença de água; uma temperatura morna adequada e pH em direção à neutralidade. Neste setor, é necessário evitar que garrafas substancialmente estéreis sofram fenômenos de repoluição; com uma carga microbiana tão alta que não pode ser eliminada pelo último enxágüe potável. Por isso, é necessário adicionar no segundo enxágüe ou no penúltimo uma formulação biocida que higienize o frasco internamente e que; acabando nos tanques, mantém a carga microbiana controlada (ação bacteriostática).

Os bicos

O sistema de enxágue das garrafas baseia-se na utilização de bicos muitas vezes autolimpantes direcionados em uma direção radial em relação a cada fileira de cestos; o efeito de autolimpeza e a conseqüente eliminação das operações de desmontagem e limpeza; são garantidos por sua rotação que permite a inversão do fluxo de água e a remoção contínua de partículas de sujeira dos canais de pulverização. O direcionamento dos sprays permite a perfeita lavagem das garrafas, sendo primeiro acertado um lado interno da garrafa; depois a parte inferior e finalmente o lado interno oposto. Ao lado de cada linha de jatos existe uma estrela que permite a perfeita sincronização entre jatos e garrafas; mesmo seguindo o possível alongamento da corrente. O enxágue correto é essencial para não encontrar resíduos de refrigerante muito perigosos na garrafa se ingerida com o produto.

Saída de garrafas

A abertura do palete de descarga permite que as garrafas sejam transferidas dos cestos para os cames que; com seu movimento elíptico, acompanhe as garrafas ao longo da calha de descarga até que sejam colocadas na esteira de descarga. As rampas e os excêntricos são fabricados em polietileno de alta densidade para garantir silêncio e alta durabilidade. Uma menção especial deve necessariamente ser feita para esta seção do lavador de garrafas. A presença de umidade e vapor, o pH neutro; o ambiente quente são fatores que predispõem ao desenvolvimento microbiano. Será necessário, portanto, prever e realizar tratamentos de limpeza e higienização do cabeçote interno; e, também da superfície externa no dia a dia, a fim de evitar o estabelecimento de possíveis pontos de contaminação microbiana. Nessa área, bactérias, leveduras e bolores podem se proliferar com facilidade e contaminar com a mesma facilidade os frascos limpos e higienizados na saída.

Insonorização

Todas as lavadoras de garrafas podem ser equipadas com dispositivo especial instalado na área de carga e descarga; projetado para reduzir o nível de ruído e permitir melhores condições de segurança para os operadores.

Isolamento térmico

Trabalhar em máquina de lavar com temperaturas que variam entre 60 ° C e 80 ° C; um sistema de isolamento adequado pode reduzir consideravelmente o consumo de energia da máquina. Nas máquinas é possível montar um sistema de isolamento total ou parcial; confeccionada com painéis de poliuretano (alta espessura); apoiado nas bordas por chapas de aço inoxidável; capaz de garantir uma economia de energia próxima a 20% do consumo total de energia da máquina.

Limpeza de águas residuais

Para aumentar o ciclo de vida do banho de polpa, existem dois sistemas distintos de filtração e reciclagem da solução do tanque de polpa:
  • TANQUE DE SEDIMENTAÇÃO: ao final da jornada de trabalho a solução é enviada para um tanque de sedimentação; em que ocorre a filtração, que pode ser realizada em condições de média-baixa pressão ou alta pressão.
  • TELA VIBRANTE: durante o funcionamento da máquina; a solução é enviada continuamente para um separador, onde é filtrada por uma rede que retém todas as partículas de vidro e papel; o líquido filtrado é então continuamente retornado ao banho de polpação.

Lavagem com máquina de setor ácido

Algumas máquinas de lavar possuem um setor localizado entre a lavagem cáustica e o enxágue final com spray ácido dentro dos frascos. Este setor tem como objetivo refinar a lavagem alcalina, eliminando completamente os resíduos inorgânicos presentes na garrafa. Claro, haverá também uma fase de enxágue antes da pulverização de ácido para reduzir parcialmente a Alcalinidade. O ácido normalmente utilizado é baseado em formulações contendo ácido nítrico; que atuará como uma passivação para as superfícies de aço. Este setor não apresenta problemas particulares além de um controle antimicrobiano periódico para a possível formação de bolores; que sabemos preferir ambientes com pH ácido.

Lavagem A

lavagem é extremamente importante para obter garrafas lavadas e acima de tudo livres de qualquer outra contaminação visível, mas também invisível, como o tipo microbiano. O sentido geral desta lavagem nos diz que na saída da máquina de lavar mamadeira; as garrafas devem ter sempre um grau de pureza igual às condições da água do último enxágüe; (conceito básico para qualquer procedimento de lavagem mecânica). A lavagem das garrafas e sobretudo o sucesso deste processo dependem de muitos factores, que devem obrigatoriamente ter em consideração o tipo de máquina presente; o tipo de frascos a serem lavados e a estrutura / composição dos rótulos a serem retirados.   Em sucessão, a escolha das formulações químicas mais ideais; a correta aplicação das mesmas e a leitura dos “sinais” das garrafas após a lavagem são requisitos essenciais para a correta limpeza e higienização dos recipientes de vidro. Os aspectos tecnológicos gerais e teóricos que estão presentes em uma lavadora de garrafas são muitos; e representam o ponto de partida para gerir o ciclo de lavagem da melhor forma possível.

Ciclo de Lavagem

É possível identificar uma série de aspectos críticos que sempre serão avaliados quando começarmos a “estudar” um lavador de garrafas. Em particular, se seguirmos as garrafas em seu ciclo de lavagem, teremos:
  • Avaliação do correto desprendimento dos rótulos da superfície da garrafa.
  • A avaliação da extração correta das etiquetas destacadas da máquina.
  • Avaliação da correta remoção de resíduos de sujeira do interior das garrafas entendido tanto em termos de sujeira causada pelos resíduos secos de seu conteúdo; (especialmente em refrigerantes e vinho), e em termos de possíveis corpos estranhos (insetos, larvas e ovos de insetos, mofo, etc.)
  • Sobre a classificação de redução de resíduos de alcalinidade efetiva no vidro antes da chegada às estações de enxágue. Os métodos dessa redução determinam as escolhas a serem feitas para o tratamento nessas áreas.
  • Avaliação do tipo de água utilizada para a escolha mais acertada dos sequestrantes a serem utilizados.
  • Avaliação da microbiologia final do frasco e possivelmente escolha do desinfetante mais adequado.
A correta aplicação dessas avaliações se traduz então na observação final da garrafa lavada que deve estar limpa; sem a presença de cola residual ou vestígios de rótulos residuais e com uma película de água que cobre toda a superfície externa de forma homogênea, de vidro. Quando a garrafa é virada, apenas duas ou três gotas de água devem sair; indicando um excelente gotejamento e, portanto, uma orientação correta dos bicos de pulverização.

Esterilização dos frascos

No final da secagem, o vidro deve permanecer brilhante e sem riscos e conferindo com fenolftaleína / papel de tornassol; deve-se verificar a eficácia do enxágue (coloração rosa no caso de alcalinidade residual). É então possível realizar verificações analíticas sobre o estado de higiene do recipiente em sua parte interna; por meio de análises microbiológicas, a fim de verificar sua correspondência nos termos da lei. O funcionamento correto de um lavador de garrafas passa; através da otimização de três parâmetros bem definidos que necessariamente devem ser avaliados e otimizados. Estes elementos são:
  • Concentração de soda cáustica (alcalinidade) em banhos de lavagem
  • Temperatura de operação terrestre das soluções de lavagem
  • o tempo de contato entre as soluções cáusticas e garrafas (velocidade de movimentação dos cestos).
Esses três parâmetros interseccionados também são capazes de garantir a certeza de um excelente lavagem e da redução do componente microbiano dentro da garrafa. Existe uma tabela de referência com a qual se pode confrontar para poder obter orientações precisas para obter a “esterilização de mamadeiras”. Esses três parâmetros são, no entanto, também essenciais para se obter a separação correta dos rótulos sem que estes possam sofrem fenômenos de polpação. A velocidade de trabalho da máquina (o tempo de percurso das garrafas na máquina entre o momento de entrada e saída) e a temperatura de trabalho (entre 70 e 90 ° C); a escolha da concentração de refrigerante e do tipo de aditivo a ser aplicado (ou da formulação à base de refrigerante) torna-se importante para o resultado que pode ser obtido.

Produtos

químicos As formulações químicas normalmente utilizadas no lavador de garrafas são:
  • Aditivo à soda cáustica para facilitar o destacamento dos rótulos.
  • Aditivo à soda para o controle da espuma em banhos cáusticos, muitas vezes causada pela presença de colas de origem caseína.
  • Formulação alcalina para ser aplicada como alternativa ao sistema de soda (NaOH) + aditivos.
  • Aditivo sequestrante para controlar a dureza da água nos banhos de enxaguamento Sanitizante.
  • Formulação para o tratamento do frasco à saída e para manter os tanques de enxaguamento em condições bacteriostáticas adequadas.
Além destas, existe a possibilidade de recorrer a outras formulações capazes de aumentar o rendimento da lavagem; então teremos:
  • Aditivos para potencializar o desprendimento dos rótulos.
  • Aditivos para aumentar a capacidade do detergente na presença de detalhes sujos como bolores, peles sujas e secas.
  • Aditivo ácido para baixar o pH e, portanto, reduzir a alcalinidade do primeiro enxágue.
A atividade da soda pode ser auxiliada por formulações químicas capazes de acalmar e reduzir os efeitos negativos presentes nos banhos cáusticos; efeitos determinados sobretudo pelos componentes inorgânicos (sais de água, metais derivados das próprias etiquetas, etc.). E dos orgânicos que chegam sempre com os frascos voltando (cola, sujeira genérica, etc.) Os elementos mais importantes são certamente os aditivos sequestrantes e em alguns aspectos; os antiespumantes dosados ​​apenas quando necessário. Menos importantes são os aditivos com ação surfactante; cuja utilidade tem sido cada vez mais reduzida ao longo do tempo em vantagem do uso de sequestrados.

Sequestrados

Um agente sequestrante ou quelante é um composto químico ou uma mistura de compostos químicos capaz de formar um quelação complexo de mais ou menos estável com átomos ou íons. O termo quelante vem de garras, imaginando o quelador como um caranguejo que agarra e envolve os íons de metal. As moléculas de ação sequestrante, normalmente inseridas em aditivos de refrigerante; têm a função muito importante de ligar os íons e sais dispersos; evitando sua adesão às superfícies (deposição de calcário) e competindo com as ligações hidroxila do banho. Eles ajudam a limpar contra bolores que aderem ao interior das garrafas. Eles controlam o problema dos aluminatos, favorecendo o descolamento do rótulo.

Classes

As classes de sequestros usados ​​são várias, embora nos últimos anos tenhamos abordado principalmente o uso de EDTA que; formando um quelado muito estável com o cálcio e o magnésio também é utilizado para prevenir a formação e deposição de calcário proveniente das águas. Esta molécula é um agente sequestrante estequiométrico capaz de competir com a maioria dos metais presentes. Estequiométrico significa que é um agente sequestrante eficaz apenas quando a soma das ligações que consegue realizar ultrapassa a concentração dos metais presentes no sistema. O facto de se comportar desta forma torna particularmente difícil calcular o valor óptimo a inserir na casa de banho. Se este valor for ultrapassado com a entrada de “sujeira”, o EDTA não conseguirá completar sua atividade e acabará na estequiometria. Esse é um dos motivos que torna o uso exclusivo dessa molécula muito arriscado; que, em vez disso, deveria ser combinada com outras moléculas sequestrantes com “efeito limiar” ou, melhor ainda, para confiar a segunda parte da lavagem ao EDTA (por exemplo, no segundo banho cáustico); depois de operar na primeira fase com outro sistema de sequestro (no primeiro banho vemos uma forte liberação em uma solução de íons metálicos que cancelaria a ação do EDTA).

Raspagem

A ação no segundo banho pode, portanto, ser mais direcionada aos problemas de remoção de moldes; larvas e ovos de insetos e até a conclusão do destacamento do rótulo. Um segundo aspecto negativo do uso desse agente sequestrante é a ação corrosiva que o EDTA é capaz de operar nas garrafas em trânsito. Embora o vidro seja um material substancialmente muito resistente, ele é corroído pelo refrigerante nos múltiplos ciclos de lavagem. Os sequestrados aumentam este efeito corrosivo e, entre eles, o EDTA é sem dúvida o que mais ataca o vidro. Após esse ataque químico (opacidade geral), as garrafas que se movem nas correias transportadoras sofrem compressão devido ao atrito, que provoca o desgaste do vidro. Por outro lado, uma discussão separada deve ser reservada para gluconato e ácido glucônico; agentes sequestrantes com atividade polifuncional real em banhos cáusticos. A atividade desses compostos é melhor alcançada em uma faixa de alcalinidade entre 1% e 3%; onde são capazes de intensificar sua ação sequestrante, dispersante e suspensiva especificamente em relação ao alumínio e seus sais. O alumínio é na verdade um metal trivalente que o EDTA não consegue ligar. Os “gluconatos” então auxiliam o EDTA na eventual eliminação do ferro depositado (colar de ferrugem causado pelas tampas da coroa).

Antiespumante

A função desse tipo de produto é justamente manter sob controle a espuma que se forma pela ação mecânica da máquina; sobretudo devido à cola de amido-caseína; mas também pela presença de moléculas orgânicas transportadas pelas próprias garrafas sujas. A espuma deve ser mantida abaixo de certos níveis para evitar cavitações nas bombas; que as sondas de leitura estão inibidas em sua função; e, sobretudo porque as etiquetas destacadas podem “flutuar” na espuma; para ser extraído e não acabar nas partes finais do carro.

Avaliação Visual das Garrafas

O aspecto das garrafas que saem da máquina indica a qualidade da lavagem que acaba de ser realizada; e acima de tudo nos dirá exatamente de que setor da máquina provém o possível defeito que encontramos nelas.

Defeitos

Aqui estão alguns exemplos de defeitos que podem ser encontrados:
  • Traços de cola presentes no vidro são uma indicação de banhos de lavagem não ideais e, portanto, de um problema de destacamento das etiquetas;
  • E rótulos que aparecem na saída das garrafas. Também neste caso é um problema relacionado com os banhos de lavagem;
  • PRESENÇA um colarinho branco na garrafa. O problema surge na área de saída da solução cáustica; com secagem do mesmo neste setor;
  • Spray agrupado de manchas brancas. Também neste caso surge o problema na área de saída da solução cáustica com secagem da mesma neste setor;
  • Garrafas com filme de água homogêneo, mas que após a secagem ficam embebidas com riachos mais evidentes. Muito provavelmente, há um arrastamento de refrigerante porque está muito concentrado ou os bocais de enxágue estão entupidos;
  • Garrafas com película de água homogênea, mas que após a secagem permanecem embaçadas e veladas. Neste caso, o enxágue não é ideal devido à falta de controle correto da dureza da água com consequente leve precipitação de calcário. A concentração do agente sequestrante precisa ser ajustada.